Ouvidoria da ALMT passa a contar com assistente social

A partir desta semana, o cidadão que busca os serviços da Ouvidoria Pública da ALMT, por meio da Defensoria Pública, terá à disposição o atendimento de uma assistente social. Inicialmente, o serviço contará com uma profissional e o atendimento será feito todas as quartas-feiras, com previsão de ser ampliado para três dias semanais.

De acordo com a ouvidora-geral da ALMT, Uecileny Rodrigues Vieira, a chegada da assistente social é parte dos esforços com o objetivo de melhor atender ao cidadão. “Percebíamos que, mesmo já tendo diversos serviços oferecidos, ainda havia demanda para que pudéssemos atender melhor ao cidadão hipossuficiente [carente]. A chegada de uma assistente social reforça esse nosso desejo de ampliar e melhorar o atendimento”, disse a ouvidora.

A presença de uma assistente social foi possível graças à ampliação da parceria que levou o defensor-geral Clodoaldo Queiroz a designar a profissional Amanda Fontenelli. Segundo ela, o trabalho que será desenvolvido pode ser dividido em três frentes.

A primeira frente de trabalho é política e consiste em buscar parceria com os demais Poderes para melhorar, simplificar e diminuir o tempo de espera do cidadão para ter acesso aos serviços públicos. A primeira atividade realizada aconteceu na terça-feira (19), quando a equipe esteve reunida com a Secretaria de Estado de Habitação para tratar de demandas.

A segunda frente de trabalho desenvolvida pela assistente social é voltada para a Ouvidoria da ALMT. Amanda Fontenelli explica que haverá o aconselhamento no atendimento das demandas que chegam ao setor. “Quando o defensor público percebe que o cidadão necessita de um atendimento ampliado, então entramos para orientar o trabalho que pode ser desenvolvido”.

A terceira, e principal frente de trabalho, será o atendimento direto ao público que necessita ter acesso a serviços gratuitos e no encaminhamento para que sejam adotadas medidas judiciais para garantir direitos.

Entre os casos que poderão ser atendidos estão acesso a medicação na farmácia de alto custo ou para possível judicialização da demanda; translado para paciente e acompanhante para tratamento em outro estado; auxílio à família de portador de transtornos mentais para integrar o paciente na rede de atendimento; encaminhamento do familiar para busca gratuita de urna funerária (caixão), em casos de morte de cidadão carente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *