Produtores de Nova Ubiratã conhecem vantagens da hidroponia no cultivo de hortaliças e verduras

A necessidade de reduzir espaço, o consumo de água e adubo além da redução do uso de defensivos agrícolas tornaram a hidroponia uma atividade atraente para a agricultura familiar.

Em busca dessas vantagens, um grupo de pequenos produtores rurais de Nova Ubiratã, a convite da secretaria municipal de Agricultura, conheceu o campo experimental da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), em Sinop.

A visita técnica também foi acompanhada pelo prefeito do município, Valdenir José dos Santos, do secretário de Agricultura, Paulo César Centurião e do presidente da Câmara de Vereador, Adilson Luiz da Silva.

Recepcionados pelo superintendente da Empaer na região norte, Jocir Kasecker Junior, e pelo técnico Tiago Tombini, os produtores conheceram as técnicas do processo indiciado para o cultivo de hortaliças, legumes e até frutas.

“Para ter êxito nesse tipo de cultivo é necessário que o produtor domine as técnicas corretas que vão desde a construção do espaço apropriado até a colheita do produto final”, assinalou o engenheiro agrônomo Jocir Kasecker.

Na avaliação do secretário de Agricultura, se implantado no município a técnica deve fortalecer a economia da agricultura familiar e paralelamente beneficiar milhares de consumidores que durante o período chuvoso fica sem acesso ao produto.

“É praticamente impossível cultivar hortaliças em nossa região durante os meses de novembro a março. Isso devido ao volume de chuvas e a incidência de pragas. O que não interfere no caso da hidroponia uma vez que o espaço destinado ao cultivo é coberto e as plantas ficam em contato com a água ao invés do solo”, explica Centurião.

“A agricultura familiar é uma das bandeiras da nossa Administração que tem trabalho não só a qualificação dos produtores, mas também a questão dos desembargos ambientais do assentamentos rurais”, frisa o chefe do executivo, Valdenir José dos Santos.

Celeridade

A primeira reunião para tratar do assunto foi realizada em 26 de fevereiro deste ano. (Veja Aqui).

De lá para cá os esforços tem surtido os primeiros resultados positivos. Isso graças a atuação conjunta entre a Administração Municipal, Câmara de Vereadores e a Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural.

“Essa ação reflete muito bem a nossa metodologia de trabalho. Queremos oferecer condições para que essas famílias sobrevivam da terra e não de subsídios do Governo Federal”, pondera Valdenir.

Conforme a Administração Municipal, a maior parte da produção será adquirido pela secretaria municipal de Educação e destinada para a merenda escolar. Já o restante deve ser comercializado em mercados e similares do município.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *