ARGUMENTOS

Surge uma nova polêmica em Brasília. O aumento de salários para os militares das Forças Armadas e das gratificações para quem tem especializações é o ponto que trava o envio ao Congresso do projeto de lei que modifica as regras de aposentadoria da categoria. Deputados, por sua vez, condicionam a tramitação da reforma da Previdência ao envio do projeto dos militares. De acordo com as informações do jornal O Estado de S.Paulo,entre as pautas que devem estar na reforma dos militares, estão o aumento do tempo de contribuição de 30 anos para 35 anos e o reajuste da alíquota previdenciária dos atuais 7,5% para 10,5%. O reajuste deve  contaminar a discussão da Nova Previdência.

 

ARTICULAÇÃO

Nos bastidores do Congresso Nacional, líderes de partidos do Centrão querem condicionar a aprovação do pacote anticrime apresentado pelo ministro da Justiça, Sérgio Moro, à votação do projeto de lei que endurece a lei de abuso de autoridade. A articulação é estimulada por ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Integrantes das duas Cortes ou até mesmo seus parentes estão entre os 134 contribuintes alvo de pente-fino da Receita.

 

BOLSONARO E GUAÍDO

O líder da oposição venezuelana, Juan Guaidó, deve encontrar hoje o presidente Jair Bolsonaro, durante visita ao Brasil. Além do chefe do executivo, o autodeclarado presidente venezuelano ainda deve se reunir com outras autoridades brasileiras, segundo confirmação do Planalto.O motivo do encontro seria um agradecimento a Bolsonaro pelo apoio que tem dado ao líder da oposição dentro da atual situação política da venezuela, além de discutir eventuais caminhos de articulação em um cenário em que Guaidó seja efetivamente reconhecido como chefe de estado da Venezuela.