FATURA POLÍTICA: Partidos pressionam presidente da Câmara por cargos no governo. Confira outras informações na coluna JPM

VELHA POLÍTICA

Começa a cobrança da fatura política na Câmara dos Deputados. Líderes de partidos que reelegeram Rodrigo Maia (DEM-RJ) para a presidência da Câmara já começaram a fazer exigências, usando o argumento de que a demora do governo para liberar cargos e emendas pode se refletir no placar de votação deputados pressionam Maia para que ele consiga convencer o presidente Jair Bolsonaro a “destravar” pelo menos as nomeações.As cobranças são contundentes   e nem mesmo a decisão do governo de criar  criar uma plataforma virtual, na qual deputados e senadores da base aliada poderão fazer indicações para o segundo escalão, serviu para acalmar os parlamentares. Nos bastidores, muitos deles tratam com ironia o novo modelo para selecionar quem ocupará as vagas nos Estados, batizado no Planalto de “banco de talentos”.Bolsonaro , uma reunião prevista  na próxima semana com líderes de partidos que podem compor a base aliada na Câmara, ainda indefinida.

BASTIDORES

Aqui em Brasilia, a coluna apurou que nos bastidores, deputados antecipam a conta da Previdência com cobranças de cargos, emendas e liberação de recursos de ministérios para seus Estados. Líderes alertam o presidente Jair Bolsonaro e ministros palacianos de que a base ainda está “muito distante” dos 308 votos necessários para a aprovação da PEC.

SABATINA DE MINISTROS

Catorze ministros e um ex-ministro do governo Jair Bolsonaro devem ser ouvidos em audiências públicas promovidas pelas comissões permanentes do Senado para falar das prioridades e diretrizes das suas pastas. Para a próxima terça-feira (26) está prevista audiência pública com o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, para falar sobre as políticas do governo nesta área na Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE).

FUSÃO DE BANCOS NÃO AGRADA

A sinalização do ministro da Economia, Paulo Guedes, de que pode propor a fusão do Banco do Nordeste (BNB) com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) desagradou à bancada nordestina na Câmara, em meio à chegada da proposta de reforma da Previdência ao Congresso.O coordenador da bancada do Nordeste, deputado Júlio Cesar (PSD-PI), afirmou que a fusão dos bancos prejudicaria a região porque os recursos do BNDES ficam “muito concentrados” nas áreas mais ricas do País, enquanto o BNB tem maior volume de recursos investidos no Nordeste.

ATUAÇÃO FORTE

A juíza federal Gabriela Hardt condenou três ex-executivos da Petrobras, além de outras seis pessoas, entre elas, operadores de propina e ex-executivos da Odebrecht em ação sobre supostas propinas que teriam abastecido a cúpula do MDB e políticos do PT, no final de 2009. A ação é decorrente da 51ª fase da Lava Jato, batizada de De jà-vu, que mirou contrato PAC SMS, da área internacional da estatal, no valor de US$ 825 milhões.

PF NA ÁREA

A Polícia Federal cumpre na manhã desta sexta (22) sete mandados de busca e apreensão em três estados para apurar crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Um dos locais é a casa do

 (PP-PI).Batizada de “Compensação”, a operação é um desdobramento das investigações decorrentes do Inquérito 4376 do STF. De acordo com depoimentos de colaboradores, o PP teria recebido cerca de R$43 milhões através de Ciro em troca de apoio político na campanha eleitoral para a eleição presidencial de 2014. O senador é presidente da sigla.

ARGUMENTOS DA DEFESA

Os mandados foram autorizados pela ministra Rosa Weber. Cerca de 30 agentes realizam os trabalhos nas cidades de Teresina, Brasília e São Paulo. Em nota, a assessoria do senador, que está em viagem oficial ao exterior, disse que ele “não vê razões que justifiquem a ação, uma vez que sempre esteve à disposição para colaborar com as investigações”. Ciro Nogueira defende o “rápido esclarecimento dos fatos” e que, “mais uma vez, irá comprovar a improcedência das acusações.”

JULGAMENTO DO STF

o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, disse não poder confirmar quando o julgamento sobre a criminalização da homofobia deve ser retomado na Corte, afirmando apenas que isso ocorrerá “provavelmente” neste semestre.

FRASE DO DIA

” O governo do presidente Jair Bolsonaro ainda não tem os votos necessários para aprovar a reforma da Previdência, mas há um sentimento na Casa favorável à votação da matéria,afirmou  presidente do Senado,(DEM-AP)  nesta sexta-feira (22)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *