O governo na fase 2: finda a estreia, agora é guerra de poder, diz Mario Rosa

Confirmada, a demissão de Gustavo Bebianno é grave porque coloca o governo, precocemente, à beira do precipício. É grave porque cria um obstáculo inútil à tramitação da tão crucial reforma da Previdência e de outras pautas fundamentais para o país. É grave porque expõe as vísceras de um grupo político que surgiu no imaginário do eleitorado justamente como cura para a endemia crônica dos desmandos na política.

Mas a demissão de um dos personagens centrais da campanha do presidente Jair Bolsonaro e até ontem seu braço direito é grave, sobretudo, porque representa que a guerra do poder começou. E com tudo.

A demissão de Bebiano foi uma contradição explícita de uma lei do poder: pau que bate em Chico, bate em Francisco. Ou seja, isonomia. Ou de outro jeito: ou restaure-se a moralidade ou se locupletam todos! Cada um veja como preferir. Por exemplo: o senador Flávio Bolsonaro, o motorista Fabrício Queiroz et caterva invocaram (e corretamente) o princípio de presunção de inocência para as pesadas acusações e os flagrantes indícios que pesam contra eles.

O Estado Policial, ao contrário de outros episódios (e corretamente), não saiu por aí protagonizando espetáculos de crucificação e penalização antecipada dos acusados. O mesmo aconteceu com o ministro do Turismo, igualmente enredado numa teia de financiamentos eleitorais questionáveis, para não usar o termo nebulosos, o que ressoaria algum tipo de prejulgamento.

O mesmo valeu para o presidente do Denatran (Departamento Nacional de Trânsito), indicado por um deputado para quem trabalhava (ferindo o dogma bolsonarista do fisiologismo) e financiado por empresas do setor ligadas a servidores que atuam no órgão atualmente, segundo a Folha.

Por que no caso de Bebianno as lâminas da guilhotina foram acionadas e sua cabeça levada ao cesto? Não lhe seria aplicável o (já prematuro e surpreendentemente elástico) princípio de presunção de inocência utilizado para justificar a teia de depósitos da Primeira Família, do ministro alaranjando, do diretor apadrinhado? Invocou-se, porém, no caso de Bebianno, um outro princípio: o da lealdade. E, nesse ponto, é importante escrutinar o que foi o primeiro lance no tabuleiro do poder do novo presidente.

O presidente jogou aos leões um ministro visceral, rasgando o princípio da igualdade entre pares e colocando como valor maior –para o exercício do poder real– os laços da lealdade. Nenhum demérito no critério. A lealdade é mais importante mesmo que o respeito a paridades teóricas no jogo do poder.

O problema é: quando a lealdade começou a ser implodida e por quem? Quando o ministro compartilhou com ouvintes áudios enviados a ele pelo presidente (supostamente para “comprovar” que ambos realmente se comunicaram depois da eclosão do escândalo) ou quando o filho 02, Carlos, tuitou e o presidente retuitou uma execração pública ao então ministro?

Cronologicamente, os elos dessa cadeia se rompem antes da ação do ministro. Nesse caso, ele teria sido duplamente violado em termos de leis do poder: na lei número 01 da lealdade e na número 02 da isonomia. Bebianno, assim, tem todas as justificativas pessoais, humanas e políticas para praticar a mais implacável das vinganças.

Isso dependerá de outras leis do poder: ter condições para isso e tornar efetivo seu intento de devolver em destruição o que lhe foi destruído. Tudo isso dependerá, também, é claro, da vontade do ex-ministro. O fato é que o novo governo entra na fase 2: termina a estreia, começa a violência do jogo do poder.

 

 

 

Crédito: Poder 360

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *